RESERVAS +54 (0294) 4425474/4430817

Facebook Twitter TripAdvisor YouTube Google Plus Instagram

Excursões e viagens

Recomendamos uma lista de "cativo" para viajar a cidade de Bariloche, suas paisagens e seus encantos em plena natureza!.

 

CIRCUITO CHICO

Duração: de meio período

O Circuito Chico, com o tempo, se transformou num percurso praticamente inevitável para quem regular ou ocasionalmente visita a cidade. A beleza da paisagem está sempre presente neste trajeto feito pela margem sul do lago Nahuel Huapi, especialmente a partir dos mirantes naturais de Bahía López ou o Punto Panorámico, lugares de onde até o observador mais experiente pode, simplesmente, sentir-se pequeno. Entre as atrações que disparam o coração estão: o mais que tradicional Hotel Llao-Llao, Puerto Pañuelo - o porto mais importante de todo o lago Nahuel Huapi - ou a Capilla San Eduardo, de onde se poderá ter um impressionante panorama do Tronador e do Cerro López. A capela, além disso, possui em seu interior frescos do famoso pintor argentino Raúl Soldi.

No trajeto existem alternativas como o Cerro Campanario e seu teleférico de cadeirinhas, localizado a 17 quilômetros do centro de Bariloche. Desde o cume é um prazer contemplar a incrível vista geral da região. Várias casas de chá e restaurantes adicionam sabor ao passeio com delícias que deleitarão o paladar.

O Circuito Chico, além de paisagem, oferece outras maravilhas: malhas, velas e todo tipo de artesanato. Também as suaves trilhas do Parque Nacional Llao-Llao permitem fazer tranqüilas caminhadas pela floresta.

CERRO CATEDRAL

Duração: de meio período

No Cerro Catedral e a pouco mais de 15 quilômetros de Bariloche, se encontra o centro de esqui mais importante do hemisfério sul. Na base há uma ampla e variada infra-estrutura de serviços, apta para a prática de esportes invernais. Os diferentes meios de elevação existentes facilitam o acesso a suas alturas em qualquer época do ano. 

A gama de oferta hoteleira e gastronômica presente na Villa satisfazem os gostos e as necessidades do grande número de esquiadores e turistas que chegam cada ano. No inverno as pistas de esqui e de snowboard estão à altura dos esportistas mais exigentes. No verão há várias atividades para aproveitar ao máximo a natureza como escalada em rocha, caminhadas para observação da flora e fauna autóctones ou fazer trekking até o refúgio Frey e outros refúgios do Club Andino Bariloche.

CIRCUITO GRANDE

Duração: dia completo

Rumo a noroeste, pela rodovia nacional 237, margeando uma paisagem estépica, a estrada serpenteia junto ao curso do rio Limay até chegar ao Anfiteatro, uma formação geológica natural sobre o rio. Logo de percorrer o Valle Encantado, onde as eternas figuras rochosas parecem esculpidas por um artista, se margeiam os rios Cuyín Manzano e Minero, por entre antigas florestas de "coihues", até chegar ao mirante do lago Traful, uma imensa falésia de mais de 70 metros de altura. Em Villa Traful, após o almoço, se continua até Puerto Arrayán e El Portezuelo para pegar a estrada que conduz a Villa La Angostura e Bariloche, fechando assim o itinerário.

CERRO TRONADOR

Duração: dia completo

Em direção ao sul pela rodovia nacional 258, após transitar os 35 quilömetros que margeiam os lagos Gutiérrez e Marcardi, inicia, em direção a oeste, um caminho de rípio que vai até Pampa Linda e dali ao pé do Cerro Tronador, a montanha mais alta da região por onde passa o limite cordilheirano com o Chile e que possui três picos: um argentino, outro chileno e, o terceiro, internacional.

De um mirante se tem uma incrível vista da geleira do Río Manso, mais conhecido como Ventisquero Negro.

Na volta se pode fazer um desvio na altura da ponte do rio Manso, mais conhecido como Los Rápidos, por um caminho que conduz à Cascada Los Alerces. Por este caminho se margeia o lago Los Moscos e o Río Manso até chegar ao Lago Hess. Uns metros mais adiante termina o caminho de acesso para veículos e se continua a pé por uma trilha que vai, logo de 300 m., até o mirante da Cascada Los Alerces.

SAN MARTÍN DE LOS ANDES

Duração: dia completo

Desde Bariloche se parte rumo ao norte pela rodovias nacionais 237 e 231, margeando o lago Nahuel Huapi até a Villa La Angostura. Se continua através da floresta pela "ruta de los siete lagos" (estrada dos sete lagos) onde se sucedem os lagos: Espejo, Correntoso, Escondido, Villarino, Falkner e Machónico; até chegar ao Lago Lácar, a margem do qual se encontra a cidade de San Martín de los Andes.

Aqui, entre montanhas e paisagens memoráveis, pode-se visitar o complexo turístico de Chapelco, as praias de Quila Quina e Catritre, e o caminho de Arrayanes, lugar do qual se tem uma lindíssima vista da cidade e do lago Lácar. Para voltar a Bariloche se terá que passar pelo lago Meliquina, el Paso Córdova, e margear o rio Traful até alcançar sua confluëncia com o rio Limay, onde se encontra o Valle Encantado.

VILLA LA ANGOSTURA

Duração: dia completo

Pela rodovia nacional 237 em direção ao este se chega ao rio Limay, onde nos rodeia a paisagem típica da estepe patagônica. Nesse ponto está o desvio que pela rodovia nacional 231 conduz a Villa La Angostura, trajeto que implica atravessar o Brazo Huemul del lago Nahuel Huapi e passar em frente a Bahía Manzano, lugar em que o visitante se encontrará rodeado por florestas de ciprestes que, paulatinamente, darão lugar à floresta úmida. A Villa, como popularmente a conhecemos, se assentou na costa norte no lago Nahuel Huapi, e oferece várias atrações: o próprio porto, a histórica residência presidencial de El Messidor, a lagoa Selva Triste e a Capilla La Asunción. O passeio tem como opção, no regresso, a subida ao Cerro Bayo, lugar onde funciona o tradicional centro de esqui de Villa La Angostura.

EL BOLSON

Duração: dia completo

A rodovia 258, sinuosa, bem-acabada e completamente pavimentada, passa, durante 130 quilômetros, por lugares extraordinários; margeia os lagos Gutiérrez, Mascardi e Guillelmo e atravessa os rios Villegas, Foyel e Quemquentreu antes de chegar a El Bolsón, pequena cidade que fica ao pé do cerro Piltriquitrón. Na cidade se visita a feira de artesanato que reune grande variedade de produtos locais, e os sítios que produzem frutas e doces. São famosos os queijos e a cerveja artesanal ali fabricados.

Pertinho, a apenas 6 quilômetros, a Cabeça de Indio e o mirante do Río Azul oferecem uma das vistas mais espetaculares do lugar. De El Bolsón se pode visitar o Parque Nacional Lago Puelo e a estação ferroviária de El Maitén, lugar de partida de "La Trochita", ou seja, uma maria-fumaça, velho trem a vapor convertido hoje numa verdadeira relíquia histórica e turística, além de ser um dos trens mais famosos do mundo inteiro dentro de sua categoria.

ISLA VICTORIA Y BOSQUE DE ARRAYANES

Duração: dia completo e de meio período

A excursão começa em Puerto Pañuelo, que fica a 25 quilômetros de Bariloche, em frente ao Hotel Llao-Llao, ao qual se pode ir de ônibus ou de carro. Após meia hora de navegação pelo lago Nahuel Huapi, se chega a Puerto Anchorena, localizado na parte central e mais estreita da ilha Victoria. Uma vez em terra, pode-se subir pelo teleférico até o ponto panorâmico que está no cume do morro Bella Vista para ver um espetacular cartão postal da Bahía Anchorena e de toda a região que rodeia o hotel Llao-Llao e Puerto Pañuelo.

A ilha também apresenta opções como uma caminhada até Puerto Gross ou uma visita à Playa del Toro, na qual se poderá observar um interessante lugar arqueológico com pinturas rupestres.

Depois de embarcar e de uns minutos de navegação se chega ao encantador Bosque de Arrayanes na Península de Quetrihué. Alí, por uma trilha de 600 metros se observam magníficos exemplares de arrayanes que formam uma linda floresta cor de canela, considerado único no mundo por suas características de crescimento. No verão exibem lindas flores brancas.

PUERTO BLEST Y CASCADA DE LOS CANTAROS

Duração: dia completo e de meio período

A excursão começa en Puerto Pañuelo. O barco zarpa e vai singrando as águas do lago Nahuel Huapi. Ao entrar no Brazo Blest se observa a Isla Centinela, onde estão sepultados os restos mortais do Perito Francisco Pascasio Moreno, um dos homens mais transcendentes de toda a História Argentina e, particularmente, da Patagônia já que o Parque Nacional Nahuel Huapi é fruto direto de uma doação realizada por ele ao Estado Nacional. 

Após uma hora de navegação a embarcação atraca em Puerto Cántaros. Daí se faz uma caminhada até o lago Los Cántaros, cujo desagüe alimenta, precisamente, a cascata. Durante o trajeto o visitante poderá observar o imponente entorno da Selva Valdiviana que o rodeia, uma floresta com características particulares devido à grande quantidade de precipitações.

Depois de atravessar para a margem oposta se desembarca em Puerto Blest para almoçar. Desde aqui, a bordo de um ônibus, se percorrem três quilômetros até Puerto Alegre de onde parte a embarcação que navega pelo Lago Frías para chegar a Puerto Frías.

É possível continuar até Peulla, que fica à beira do Lago de Todos los Santos em território chileno, mas este serviço é opcional, se faz no verão e deve ser contratado com antecipação.

CRUCE INTERNACIONAL DE LOS LAGOS

A travessia começa com um traslado terrestre da cidade de Bariloche até Puerto Pañuelo e dalí navegando em catamarão pelo lago Nahuel Huapi até Puerto Blest. 

Logo se percorrem 3 km de ônibus até Pto. Alegre para navegar pelo Lago Frías até Puerto Frías onde se farão os trâmites migratórios e da alfândega argentina. Deste ponto se continua de ônibus atravessando a cordilheira por um caminho de exuberante vegetação até Peulla, primeiro povoado chileno, finalizando os trâmites migratórios e da alfândega chilena a tempo para o almoço. A continuação, se navega pelo Lago de Todos los Santos até Petrohué onde se visitam os Saltos de Petrohué, no Parque Nacional Vicente Pérez Rosales, e mais tarde, por via terrestre, se margeia o Lago Llanquihue até Puerto Varas terminando a excursão nesta localidade ou em Puerto Montt.

TREKKING

Duração: dia completo e de meio período

O trekking propõe diversas alternativas como as caminhadas de valor botânico ou histórico ou a subida a geleiras e trilhas nas alturas, atividades que se realizam dentro de um âmbito natural de uma beleza fora do comum. Já se sabe que o verão é a estação ideal, mas durante o inverno também é possível fazer trekking, pois para transitar por certas trilhas só faz falta mesmo incorporar as raquetes de neve ao equipamento.

Se o programa se prolonga por mais de uma jornada, se combinam variáveis de logística ou de superfície, o que permite ter acesso a lugares como vales, escarpas e até, talvez, algum cume.

Para percorrer estas trilhas na alta montanha se recomenda ir acompanhado por um guia local especializado, não só por questões de segurança, se não porque seu conhecimento e idoneidade ajudarão a conhecer, amar e respeitar este lugar.

Os refúgios de montanha do Club Andino Bariloche constituem em si mesmos uma verdadeira atração com encantos e características particulares. Edificados em lugares únicos, onde os pioneiros do montanhismo decidiram assentar suas construções, oferecem serviços básicos como dormitórios compartidos, cozinha, refeitórios e banheiros. Têm toda uma história da qual nos orgulhamos e continuamente se encarregam de gerar outras novas que se escrevem em códigos de amizade, convivência e fraternidade entre os que se detêm neles. Atualmente funcionam sete refúgios nos arredores de Bariloche, cada um com suas particularidades e graus de dificuldade quanto à acessibilidade.

Para aquelas pessoas que prefiram opções mais tranqüilas ou de menor duração, existem trilhas onde se pode apreciar de perto as florestas da região e as melhores vistas panorâmicas.

RAFTING

Duração: dia completo e de meio período

O rafting é a descida em botes infláveis por rio de montanha que, de acordo a suas características e às dificuldades que apresentam recebe uma classificação de I a VI graus. O grau VI é inavegável, enquanto que o grau I é o mais tranqüilo.
Os botes têm uma capacidade de até 10 passageiros, sem mencionar o guia, indispensável porque conhece perfeitamente as correntes y a região, além de ser o responsável pelas instruções e questões relacionadas à segurança dos turistas.


O rafting se pratica nos seguintes lugares: 
-Manso Inferior River (clase II-III) Duração: dia completo
-Manso a la Frontera River (clase III - IV) Duração: dia completo

KAYAKING

Entre todos os esportes fluviais, este é talvez o mais exigente, já que quem o pratica deve enfrentar sozinho os diferentes obstáculos que o rio apresenta. De qualquer maneira, as pessoas sem experiência podem aprender em poucas aulas as manobras básicas que se requerem. Os caiaques, por sua vez, são embarcações muito versáteis que permitem navegar desde o mais simples dos rios até enormes torrentes d'água.

Caiaque de travessia

Pode-se navegar em embarcações duplas ou simples, de grande manobrabilidade e estabilidade. É uma atividade que não requer experiência prévia, e que se realiza em todos os âmbitos aquáticos do Parque Nacional Nahuel Huapi e em setores do rios Limay, Manso e Negro.

CABALGADAS

As opções são bastante variadas. Uma delas, desandar as planícies estépicas de alguma fazenda tendo a grata possibilidade de dar de cara com lebres, javalis ou cervos, e, como não podia ser de outra maneira, voltar para saborear um gostoso churrasco à moda do lugar, enquanto se compartem as piadas e aventuras vividas na travessia.

Outra opção é a de seguir trilhas de montanha para descubrir lagos e rios até chegar aos refúgios especialmente arquitetados para um sono reparador.

Os cavalos utilizados estão treinados para transitar todo tipo de terreno. As excursões são guiadas por conhecedores da zona ou campesinos expertos

MOUNTAIN BIKE

O ciclismo na modalidade de montanha se pratica nos arredores de Bariloche, onde existem cenários para todos os níveis de exigência (principiantes, avançados e expertos).

Lugares onde se pratica: 
Lago Gutiérrez - Cerro Catedral - Cerro Otto - Circuito Chico - Refúgio Neumeyer


As travessias, assim, fazem parte do mundo das bicicletas de montanha. Entre outros podem ser mencionados itinerários como lago Mascardi - lago Steffen; lago Steffen - rio Villegas; Villa Los Coihues (lago Gutiérrez) - Villa Catedral ou Paso Pérez Rosales - Peulla (travessia ao Chile).

CANOPY

Duração: de meio período

O ponto de largada para esta atividade se acha nas proximidades de Colônia Suíça. Ali, trás uma breve instrução a pouca distancia do chão, se sobe a um veículo de tração dupla por um caminho de montanha até a primeira plataforma. Desde este lugar se percorrerão 1500 metros entre copas das arvores durante quase duras horas. A travessia se realiza se deslizando por um cabo de aço e com um equipamento especial provido pela empresa.

PARAPENTE

O parapente é uma modalidade de paracaidismo esportivo. O amador se lança de uma pendente ou de uma altitude suficientemente pronunciada para fazer uma descida controlada tão logo se abre o pára-quedas. Neste caso se trata de vôos duplos, nos quais o parapentista vai acompanhado por um instrutor ou piloto especializado. Se realiza durante todo o ano e podem participar pessoas de todasas idades. O clima, naturalmente, é uma questão sempre a ter em conta. Lugares onde se pratica: Cerro Catedral - Cerro Otto

PESCA

O Parque Nacional Nahuel Huapi possui uma importante bacia lacustre e fluvial, com costas de fácil acesso, particularmente adequadas para a reprodução e difusão de espécies íctíicas de grande valor esportivo.

Entre as espécies mais difundidas está a truta Arco Iris que se situa antes e depois dos rápidos, buscando em geral águas de curso rápido e cristalinas, enquanto que a truta Marrón encontra-se em quase todos os rios e lagos da região. Já a truta de arroio, a truta Criolla ou Perca e o salmão Encerrado, também vão poder ser motivos de um dia de pesca esportiva, usando as técnicas de spinning (colher), fly casting (mosca artificial), e trolling (pesca de engodo em que se usam diversas iscas artificiais).

Entre os lugares mais procurados para este esporte, estão o lago Nahuel Huapi e seu sistema de rios e arroios, a boca do rio Limay onde predominam as trutas Arco Iris e Marrón, e os sistemas do rio Manso e Traful, reconhecidos como os melhores da região para a captura de salmões.

Já os lagos Mascardi, Gutiérrez, Fonck, Hess, Roca e Los Moscos, possuem bons exemplares de trutas Arco Iris, Marrones e Fontinalis.

A temporada começa em novembro e termina em abril. No lago Moreno a pesca está permitida durante todo o ano.